VARIG - 90 anos

VARIG - 90 anos
Vista Aérea do Colégio Rosário e Arredores - 1949
Minha foto
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brazil

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

A Praça da Matriz através dos tempos

O "Atlântico" sobrevoa a Praça da Matriz


Clique aqui para ver O "Atlântico" sobrevoando a Praça da Matriz.
Caso você esteja com dificuldade em assistir este vídeo, instale o Adobe Flash Player 10.1.
http://get.adobe.com/br/flashplayer/
Festa de recepção a D. Pedro II – 1865


Durante Guerra do Paraguai, Dom Pedro II e toda a família real vieram a Porto Alegre. Entre as várias festividades realizadas em homenagem ao Imperador, uma realizou-se na Praça da Matriz e cuja imagem, Luis Terragno legou para a posteridade. Observar os alicerces da Casa da Câmara(depois Tribunal de Justiça) que aparecem em primeiro plano.
Teatro São Pedro e Chafariz da Hidráulica – 1865


Esta fotografia de Luis Terragno, colorizada eletrônicamente, mostra parte da Praça tendo ao fundo o Teatro São Pedro apenas sete anos após sua inauguração e o chafariz da Hidráulica Porto- Alegrense que recentemente havia sido concluído.
Panorama da Praça da Matriz – 1880


Montagem eletrônica a partir de quatro fotografias tomadas do mesmo lugar e no mesmo dia. As fotos foram obtidas do álbum comemorativo a Exposição Brasileira-Alemã de 1881 e mostra um panorama da praça naquela época. Observar que o terreno ainda não tinha sofrido nenhum tipo de ajardinamento nem arborização.
Vista da praça desde a rua Jerônimo Coelho – 1890


Postado em cima do “Forte Apache”, Virgilio Calegari nos legou esta magnífica fotografia que, além de parte da praça ainda mostra a capela do Divino, a velha Matriz e o antigo Palácio da Presidência.
Portão voltado para a Duque de Caxias – 1890


Alguns populares fazem pose para o fotógrafo nesta imagem de um dos quatro portões situados nas laterais dos muros com gradis de ferro que cercavam a praça. A fotografia mostra ainda a localização do monumento ao Conde de Porto Alegre, logo após o portão.
Quiosque “Ao Pólo Norte” – 1900


Situava-se na parte norte bem em frente ao Teatro São Pedro. Foi o maior quiosque que a cidade conheceu. Tinha dois pisos e paredes de alvenaria. Vendia bebidas, alimentos, cigarros, jornais, miudezas e também bilhetes da loteria. Em suas paredes, outros estabelecimentos faziam propaganda comercial. Foi construído em 1890 e desapareceu por volta de 1922.
Praça da Matriz – 1900


Esta magnífica fotografia de Virgilio Calegari, tomada do alto de uma das torres da velha matriz, é possível observar o panorama da praça na virada do século.A arborização e o ajardinamento já faziam jus a beleza do lugar.
Monumento ao Conde de Porto Alegre – 1902


Este monumento, obra dos escultores Aurélio Pittanti e Carlos Fossati, todo em mármore, foi inaugurado pela Princesa Isabel em 02 de fevereiro de 1885 por ocasião de uma visita da família Imperial a Porto Alegre.A estátua ficava voltada para o norte e se localizava alguns metros após a entrada da praça em frente a rua Duque de Caxias. Em 1910 foi removido para a Praça Conde de Porto Alegre.
Monumento a Júlio de Castilhos – 1915

Fotografia tomada alguns meses após a inauguração do monumento a Júlio de Castilhos (24 de outubro de 1914). Esta magnífica obra, de autoria do escultor Décio Villares, exprime toda a simbologia positivista da qual, Júlio de Castilhos foi um seguidor.
A Praça da Matriz em 1910


Esta fotografia mostra a praça na época em que o monumento a Júlio de Castilhos estava em construção. Os tapumes da obra podem ser observados no centro da praça. A direita é possível ver o quiosque “Ao Pólo Norte” que nesta época ainda se localizava na praça.
A Praça da Matriz vista da Rua dos Andradas – 1920


Nesta fotografia, tomada de um dos edifícios da Rua da Praia podemos observar a praça quando ainda não havia sido construído o Auditório Araújo Viana.
Praça da Matriz vista do Teatro São Pedro


O fotógrafo estava postado em frente ao Teatro São Pedro para fazer esta cena em 1925. Nesta época, a praça ganhou uma iluminação com rede subterrânea e postes com a chamada “Nova Lux”, moderníssima para a época.
Praça da Matriz – 1925


A praça formava um magnífico conjunto com o Piratini, a velha Matriz e os dois prédios com arquitetura similar: O velho Tribunal de Justiça e o Teatro São Pedro. O monumento a Júlio de Castilhos completa este belo conjunto. Lamentavelmente, o velho Tribunal foi consumido por incêndio criminoso em 1949 e a velha Matriz desapareceu para dar lugar a nova Catedral Metropolitana.
A Praça da Matriz em 1957


Esta fotografia, tomada do alto de um dos edifícios da rua Riachuelo, mostra a praça nos últimos anos da década de 50. Observa-se que o novo prédio do Tribunal de Justiça encontra-se em construção e o antigo Auditório Araújo Viana vive seus últimos meses antes de ser demolido.
A Praça no Século XXI


Nestas duas fotografias podemos observar a Praça da Matriz nos dias de hoje.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Os Primórdios da Colonização Italiana no RGS

O Vale das Antas – 1950


Fotografia de parte do fecundo vale das Antas ao redor do qual se formaram muitas colônias de imigrantes italianos no século XIX.
Veranópolis - 1946


Esta belíssima fotografia mostra a avenida Osvaldo Aranha, a principal artéria da cidade e em torno da qual se formou o primeiro povoado em 1884.
Nova Prata – Praça da Bandeira – 1948


Esta fotografia mostra a Praça da Bandeira no centro da cidade. Ao fundo, salienta-se o edifício da Prefeitura Municipal.
Nova Prata - 1947



Nesta fotografia podemos observar um panorama da cidade de Nova Prata cujo inicio do povoamento se deu a partir de 1884 por determinação do governo imperial. Emancipou-se do Município de Alfredo Chaves em 11 de agosto de 1924 e somente em 1938, foi elevada a categoria de cidade.
Guaporé – 1946


Esta fotografia mostra a Praça Vespasiano Correa e a imponente Igreja Matriz de Santo Antonio. A colônia teve seu inicio em 1892 e já em 11 de dezembro de 1903 ocorreu a emancipação mas somente em 31 de março de 1938 foi elevada a categoria de cidade.
Garibaldi – 1910


A comunidade reunida em festa religiosa. A religiosidade era uma marca dos imigrantes italianos. A fundo a igreja construída no lugar da velha capela colonial. Observar que o campanário continuava intacto.
Garibaldi – 1900


A fotografia mostra um aspecto de Garibaldi no ano de sua emancipação. A cidade mantinha ainda muito de seu aspecto colonial primitivo. A direita aparece o Hotel Faraon.
Flores da Cunha – 1940


O povoado começou em 1887 com o nome de Nova Trento. Em 1924 foi emancipado e em 1935 mudou sua denominação para Flores da Cunha. A fotografia mostra um aspecto parcial da cidade em 1940.O edifício observado a esquerda, embaixo na fotografia, é do Foro da cidade.
Farroupilha – Sociedade Vinícola Rio – Grandense – 1928


Nesta fotografia é possível observar o transporte da uva desde o produtor até a Sociedade Vinícola. O referido transporte era feito em recipientes de madeira chamados”bigoucis”.
Caxias do Sul – Praça Rui Barbosa – 1950


Nesta fotografia aparece a Igreja Matriz tendo ao lado a sede da diocese de Caxias do Sul. A praça é a Rui Barbosa, a principal da cidade. Ao fundo, o edifício da Metalúrgica Abramo Eberle uma das mais tradicionais empresas da serra gaúcha.
Caxias do Sul – Construção da Igreja de São Pelegrino – 1949


Esta igreja, bastante visitada por todos aqueles que chegam a Caxias do Sul, foi concluída nos primeiros anos da década de 50 e tem afrescos do grande pintor gaúcho, de origem italiana, Aldo Locatelli.
Caxias do Sul – 1880


Provavelmente, esta é a fotografia mais antiga da região colonial italiana. A foto, bastante maltratada pelo tempo, mostra a Avenida Júlio de Castilhos com os seus casebres coloniais, cinco anos após a chegada dos primeiros imigrantes.
Bento Gonçalves – Prefeitura Municipal – 1945


Emancipado em 1890 o município construiu este prédio em 1901 e que se encontra preservado.
Bento Gonçalves – 1915



Esta fotografia mostra, provavelmente, uma festividade religiosa pois a matriz, construída em 1894, aparece a esquerda na fotografia e parece estar incluída nas comemorações.
Antonio Prado – Vista Geral – 1949


A colônia começou a existir a partir da chegada dos primeiros imigrantes a partir de 1889. Esta fotografia, mostra o aspecto geral da já então, cidade de Antonio Prado 50 anos depois.
Antonio Prado – O Antigo Colégio São José – 1948


Em 1948 o colégio tinha 160 alunos matriculados apenas para os cinco anos do curso primário. Nos primeiros anos da década de 50, foi construído um novo prédio e o colégio passou também a oferecer curso ginasial. O ensino sempre foi uma preocupação das colônias.
Antonio Prado – 1900


Nesta fotografia, observamos a praça em frente a prefeitura municipal. Esta imagem foi tomada logo após a emancipação em 11 de fevereiro de 1899.
Garibaldi – Antigo Ônibus de Linha – 1950



Este velho FORD fazia a linha Garibaldi, Farroupilha e Caxias do Sul. Trafegava por estrada sem asfalto mas nunca deixava “ ninguém na mão”..... um guerreiro.
Carroções Coloniais



O veículo utilizado na colônia italiana antes do evento do caminhão e mesmo até depois destes, era o carroção. Um veículo grande e pesado com quatro rodas e com tração animal. A produção das colônias escoava totalmente através destes veículos.
Casa Típica da Família Colonial – 1940


Esta fotografia, extremamente poética, mostra uma casa típica das famílias italianas, alguns anos depois da colonização.Os grandes sobrados de madeira abrigavam toda a família. Não tinham quase conforto, mas a mesa farta era uma característica marcante. A cantina na parte de baixo era também uma constante nas construções da colônia. Eis uma imagem que o tempo e a modernidade fez desaparecer.
Caxias do Sul – Pavilhões da Festa da Uva – 1950


Para comemorar os setenta e cinco anos da chegada dos primeiros imigrantes, foi realizada uma grande exposição agro-industrial e a festa da uva. Foi um acontecimento grandioso que fez justiça a obra fantástica daqueles homens e mulheres cuja coragem e o trabalho fizeram a grandeza de toda a região.
A Pioneira Lúcia Tedesco Munacretto - 1950


Nesta fotografia, tomada por ocasião dos festejos dos setenta e cinco anos da imigração italiana no RGS, podemos ver a veneranda Lúcia Tedesco Munacretto que foi uma das pioneiras que chegaram em 1875. Em 1950, já centenária, ela teve a ventura de ver a glorificação da obra dos imigrantes na Festa da Uva e na grande Exposição Agro-Industrial realizada em Caxias do Sul naquele ano.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Panorama de Garibaldi – 1888



Esta fotografia foi tomada quando a colônia ainda se chamava Conde D’Eu. O município de Garibaldi foi foi criado em 1900 quando se desmembrou de Bento Gonçalves. Este panorama é a fusão eletrônica de duas fotografias tiradas de um mesmo local no mesmo dia e mostra praticamente toda a extensão da colônia naquela época

Garibaldi – Camelô


Esta fotografia, tomada no final do século XIX, mostra uma banca de vendedores ambulantes em uma das ruas da cidade de Garibaldi. Observar os diferentes utensílios colocados a venda
Garibaldi – Construção da Capela Colonial – 1887



Esta capela colonial foi construída a partir de 1885 pelos imigrantes. A igreja, na zona colonial italiana era o centro de toda a vida de seus antigos habitantes e também o centro no qual se desenvolveram as cidades do passado.

Bento Gonçalves – 1888


Fotografia majestosa e impressionante. Mostra o rio das Antas ao fundo e algumas choupanas em primeiro plano. Observar a quantidade de pessoas que circulam de um lado e outro do rio. A Princesa Isabel guardou esta fotografia como sendo A colônia Dona Isabel, ou seja, Bento Gonçalves. As choupanas em primeiro plano, possivelmente sejam o que restou de aldeia indígena e a fotografia deve ter sido tomada em dia de algum tipo de comemoração.

Bento Gonçalves – 1890


Outro aspecto das comemorações da emancipação
Bento Gonçalves – 1890


Povoado em 1875 com o nome de Colonia Dona Isabel e emancipado em 1890 para formar o atual município de Bento Gonçalves. Esta fotografia permaneceu desconhecida até alguns anos quando foi descoberta na coleção deixada pela Princesa Isabel. Mostra a antiga colônia em festa comemorando a emancipação.

Campo dos Bugres – atual Caxias do Sul em 1885


Esta fotografia é uma das mais antigas que se conhece do então campo dos bugres que foi o local onde se iniciou a colônia em 1875. A denominação de campo dos bugres é porque o local tinha sido habitado anteriormente pelos índios Caáguas.

Caxias do Sul – 1900


Esta fotografia, tomada de uma região elevada, mostra a avenida Júlio de Castilhos na virada do século. Nesta época a cidade ainda mantinha um aspecto tipicamente colonial. Bem ao fundo aparece a Igreja Matriz ainda inacabada.
Caxias do Sul – 1943


Esta fotografia mostra a grande nevasca ocorrida em 1943. A fotografia é da Praça Rui Barbosa. Ao fundo, observa-se o antigo Hotel Menegotto.
Caxias do Sul – Festa da Uva 1950


Para comemorar os 75 anos da imigração italiana no Rio Grande do Sul, realizou-se em Caxias do Sul uma grande comemoração que contou como uma exposição agro-industrial e com a Festa da Uva . Uma comemoração a altura da grandeza econômica gerada pela imigração italiana em nosso estado.
Caxias do Sul – 1950


Esta fotografia mostra a avenida Júlio de Castilhos em 1950. Observar que algumas casas coloniais ainda se mantinham nesta época.
Antonio Prado – 1900



A colônia de Antonio Prado foi fundada em 1886 e já em 1899, mais precisamente no dia 25 de março, foi emancipado e tornou-se município autônomo. A fotografia mostra a cidade na época da emancipação e na qual aparece ao fundo a igreja matriz do Sagrado Coração de Jesus e a área onde hoje situa-se a praça Garibaldi.
Alfredo Chaves atual Veranópolis em 1900


Nesta fotografia podemos observar o aspecto tipicamente colonial de Alfredo Chaves. O inicio do povoado data de 1884 e foi elevada a categoria de vila já em 1892 passando a se chamar “Benjamim Constant”. A reclamação dos habitantes foi imediata e a denominação voltou a ser Alfredo Chaves. Em 1898 foi emancipado e passou a ser município autônomo.A fotografia mostra a atual avenida Osvaldo Aranha